Convidados

Ana Maria Conçalves
Ana Maria Conçalves

Nasceu em Ibiá, MG, em 1970. Trabalhou com Publicidade até 2001, quando se mudou para a Ilha de Itaparica e escreveu “Ao lado e à margem do que sentes por mim” e “Um defeito de cor” (Editora Record), ganhador do Prêmio Casa de las Américas (Cuba, 2007). Já publicou em Portugal, Itália e nos EUA, onde ministrou cursos e palestras sobre relações raciais e fez residência em universidades como Tulane, Stanford e Middlebury. Mora em São Paulo, onde escreve também para teatro, cinema e televisão.

Ana Martins Marques
Ana Martins Marques

É formada em letras e doutora em literatura comparada pela UFMG. Publicou os livros de poemas A vida submarina (Scriptum, 2009), Da arte das armadilhas (Companhia das Letras, 2011), O livro das semelhanças (Companhia das Letras, 2015), Duas janelas (com Marcos Siscar, Luna Parque, 2016), Como se fosse a casa (com Eduardo Jorge, Relicário Edições, 2017) e O livro dos jardins (Quelônio, 2019). Uma antologia dos seus poemas acaba de sair em Portugal, pela editora Douda Correria, com o título Linha de rebentação.

Bruno Ribeiro
Bruno Ribeiro

Jornalista, escritor e compositor há mais de 20 anos, tendo trabalhado por uma década como repórter e crítico de música no jornal “Correio Popular”, de Campinas (SP). Foi jurado do Prêmio da Música Brasileira em várias edições e publicou três livros, entre eles “A Suprema Elegância do Samba”, em 2007.

Célia Xakriabá
Célia Xakriabá

É professora e ativista no movimento indígena desde os 13 anos de idade. Seu trabalho centra-se na reestruturação do sistema educacional, no apoio às mulheres e à juventude dentro das Aldeias Xakriabá e na mudança das fronteiras geográficas para sustentação de seu território.

Cidinha da Silva
Cidinha da Silva

É nascida e criada em Belo Horizonte. Prosadora. Publicou entre outros, “#Parem de nos matar!” (2016); “Um Exu em Nova York” (2018) e “Kuami” (2a edição, 2019). É também editora na Kuanza Produções e dramaturga. Tem textos publicados em catalão, espanhol, francês, inglês e italiano. Está lançando uma coletânea com suas melhores crônicas organizadas de maneira temática.
cidinhadasilva.blogspot.com

Duda Salabert
Duda Salabert

Professora de literatura, ambientalista, vegana, ativista pelos direitos humanos e dos animais. No campo da educação popular, idealizou e preside a Transvest, ONG que oferece cursos gratuitos para travestis e transexuais de BH. Idealizou também o curso popular da Guaicurus, pré-vestibular gratuito para profissionais do sexo da capital mineira. Em 2018, foi a primeira travesti da América Latina a disputar o Senado, conquistando mais 350 mil votos e figurando entre as 10 pessoas mais votadas do Estado de Minas Gerais.

Elisa Lucinda
Elisa Lucinda

Nas palavras de Nélida Piñon, “tem a linguagem em chamas”. A autora possui dezessete livros publicados, dentre os quais a “Coleção Amigo Oculto”, de livros infanto juvenis, que lhe rendeu, em 2002, o prêmio Altamente Recomendável (FNLIJ) por “A menina transparente”. Lucinda encena e circula muito de sua obra pelos palcos brasileiros e estrangeiros, e comemora o reconhecimento de ser uma das escritoras que mais popularizam a poesia em nosso tempo.

Etiene Martins
Etiene Martins

É jornalista e publicitária por formação, militante do movimento negro e livreira especializada em literatura negra e antirracista.

Fellipe Beluca
Fellipe Beluca

Nascido no Barreiro, Belo Horizonte, em 22 de junho de 1992. É MC, compositor, poeta e articulador cultural. Atualmente, circula seu primeiro trabalho solo, o EP “Apesares De”. O EP composto por 5 músicas e 3 poesias de sua autoria, foi gravado e produzido pela gravadora Porão Rec e foi lançado em outubro de 2018.

Flávio de Castro
Flávio de Castro

Estreou em maio de 2013 no famigerado Suplemento Literário de MG – Edição Especial – “A nova poesia brasileira vista por seus poetas” e, em 2016, publicou “Desaparecida”, pela editora Uruatu. É cronista do jornal O Beltrano e traduz clandestinamente a obra dos beatniks argentinos José Sbarra e Henrique Symns. É parceiro do artista plástico Rodrigo Salomão no intitulado coletivo “7 capetas”, com intervenções em cidades do Brasil e também no exterior.

Gil Amâncio
Gil Amâncio

É músico, produtor musical, professor e performer. Começou a carreira artística em 1976. É coordenador do NEGA – Núcleo Experimental de Arte Negra e Tecnologia, criador da Cia Será Que?, da Sociedade Lira Eletrônica Black Maria, do Coletivo Black Horizonte e do Coletivo de Cinema Coisa de Preto. É idealizador e curador do FAN – Festival de Arte Negra de BH.

Igu Bantu
Igu Bantu

Poeta, graduado em comunicação social pela UNIBH e em audiovisual pela OI KABUM! BH Escola de arte e tecnologia, onde publicou o livro de poemas “Tanto faz, tanto fez” (Ed. do autor). Seus poemas transitam pelo campo da oralidade, da canção e do audiovisual, com forte influência do RAP. Circula pelos saraus de Belo Horizonte e região metropolitana.

Jéssica Rodrigues
Jéssica Rodrigues

22 anos, é poeta da cena periférica de Belo Horizonte, presença constante nos saraus e slams da cidade e região metropolitana. Seus poemas respondem de modo contundente aos dilemas de seu tempo, com forte presença performativa que reflete uma ancestralidade atemporal.

João Paiva
João Paiva

É MC da cultura Hip Hop, Poeta Marginal e professor da rede pública de Minas Gerais. João é um dos criadores da banda de Rap/Reggae IP420. Ganhador do Slam Clube da Luta de Belo Horizonte em 2014 e 2015, e campeão do SlamBRem, em 2014. João Paiva foi também representante do Brasil na Copa do Mundo de Slam, em Paris, no ano de 2015. Em 2018, lançou seu primeiro Álbum solo intitulado “A Balada do Guerrilheiro”.

JoMakA
JoMakA

É Artivista, poeta marginal antimanicomial, educador social, estudante de Pedagogia, membro dos coletivos Academia TransLiterária e Mascucetas.
Em maio de 2018, numa parceria com o Projeto Bolha do artista Sérgio Salomão, publicou “’Generalidades ou Passarinho Loque Esse”, disponível também em áudio book com o objetivo de promover acessibilidade. É colunista da plataforma Guaja, e criou o projeto “Literatura Compartilhada”. Carrega em sua pesquisa e experimentações artísticas a pele de uma pessoa trans não binária, intersexual, dita esquizofrênica e que tem sede de palavra alada.
guaja.cc/membro/joao-maria

Julia Elisa
Julia Elisa

Poeta, educadora e aprendiz. Graduada em Ciências Sociais pela UFMG e mestranda em Comunicação Social pela mesma instituição.Idealizadora do Preta Poeta, busca instigar a escrita poética e declamação de mulheres negras enquanto um mecanismo de resistência e liberdade. Corpo em movimento na busca de poéticas insubmissas em diversas expressões que rasurem e reinscrevam as nossas histórias.

Julia Panadés
Julia Panadés

Desenha, escreve, costura e edita livros. Publica sua produção de modo independente. Em 2019, publicou “Imagino Veneza”, pela Modular Edições. É bacharel em Artes Plásticas pela Escola Guignard, mestra em Artes Visuais pela EBA/UFMG, e doutora em Estudos Literários pela FALE/UFMG. A experiência da criação vem se tornando o seu tema de vida. juliapanades.net.

Jussara Kelly
Jussara Kelly

Natural de Nova Lima (MG), organizou os Sarau das Manas e Sarau Comum. Integra a antologia “À voz, à luta!” do Coletivo Cultural Coletivoz. Atua também como fotógrafa, e ministra oficinas de escrita criativa.

Léo Gonçalves
Léo Gonçalves

É poeta, tradutor, performer. Autor de “Use o assento para flutuar” (Crisálida, 2018) e “das infimidades” (in vento, 2004), também publicou em diversas antologias e revistas. Destaque para “É agora como nunca: antologia incompleta da poesia brasileira contemporânea”, organizada por Adriana Calcanhoto (Companhia das Letras, 2017).
www.salamalandro.redezero.org

Lorena Barbosa
Lorena Barbosa

Estudante do curso de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, pesquisadora do literafro – Portal da literatura afro-brasileira, locutora do momento literafro, da Rádio UFMG, coordenadora e educadora popular de Língua Portuguesa no Pré-ENEM Angola Janga. Desenvolve pesquisas acerca da literatura afro-brasileira, sobretudo de mulheres negras, com enfoque na escritora mineira Carolina Maria de Jesus.
letras.ufmg.br/literafro

Luciana Tanure
Luciana Tanure

É editora da Quixote+Do. Comunicadora Social pela UFMG e Mestre em Artes pela Universidade do Texas, é sócia-fundadora da Access Produções, em Belo Horizonte.
quixote-do.com.br

Luiz Antônio Simas
Luiz Antônio Simas

Luiz Antonio Simas é historiador, professor e escritor. Tem dezesseis livros e mais de uma centena de artigos publicados em jornais e revistas sobre a cultura popular brasileira e corporeidade, com recorte nas temáticas das festas de rua, do samba, das religiosidades populares, do futebol e do carnaval. Pelo Dicionário da História Social do Samba, escrito em parceria com Nei Lopes, recebeu o Prêmio Jabuti de Livro do Ano de Não Ficção, em 2016. Foi finalista do mesmo prêmio em 2018.

Marcelino Freire
Marcelino Freire

Nasceu em 1967, em Sertânia/PE. É criador e curador da Balada Literária (baladaliteraria.com.br), evento que reúne, anualmente, desde 2006, uma centena de escritores, nacionais e internacionais, pelo bairro boêmio da Vila Madalena, em São Paulo. No final do ano passado, lançou o livro “Bagageiro”, reunindo o que ele chama de “ensaios de ficção” (Editora José Olympio).
marcelinofreire.wordpress.com

Mariana de Matos
Mariana de Matos

Artista visual e poeta. Graduada em Artes Visuais pela Escola Guignard (UEMG), Mariana pesquisa a contribuição da poesia negra para a decolonialidade, no mestrado em Teoria Literária (UFPE). Lançou “Meu corpo é um esconderijo” (2014, Ed. Penalux); “Verso e verbo” (2010); “Meta” (2016) e “poesia pra pixo” (2017) pela sua editora, Bendito Ofício.

Nicolas Behr
Nicolas Behr

(Nikolaus von Behr) nasceu em Cuiabá, em 1958. Mora em Brasília desde 1974. Três anos depois, lançou seu livrinho mimeografado, “Iogurte com Farinha”, o primeiro de muitos. Foi redator publicitário. Em 2015, o Instituto de Letras da Universidade de Brasília instituiu o Prêmio Nicolas Behr de Literatura. Adora Brasília.
(Nikolaus von Behr) nasceu em Cuiabá, em 1958. Mora em Brasília desde 1974. Três anos depois, lançou seu livrinho mimeografado, “Iogurte com Farinha”, o primeiro de muitos. Foi redator publicitário. Em 2015, o Instituto de Letras da Universidade de Brasília instituiu o Prêmio Nicolas Behr de Literatura. Adora Brasília.
nicolasbehr.com.br

Nívea Sabino
Nívea Sabino

Natural de Nova Lima (MG). Graduada em comunicação social pela PUC/MG e autora de “Interiorana” (Padê editorial). Presença constante nos saraus e slams de Belo Horizonte e região metropolitana, participou em 2018 do Arte da Palavra Sesc Nacional no circuito Oralidades. É campeã do Slam Clube da Luta 2016 e é a primeira mulher a conquistar o título no estado de Minas Gerais.
niveasabino.com

Renato Negrão
Renato Negrão

É um artista da palavra e da imagem. Autor de “Vicente Viciado”, “Odisseia Vácuo” e outros cinco livros de poemas. Atua com linguagens e suportes variados, do livro à performance, da letra de canção à fotografia. Participou da curadoria do Circuito Literário da Praça da Liberdade. Integra a antologia Retendre la corde vocale anthologie de la poésie brésilienne vivante (Ed. Maison de la poésie Rhône-Alpes/2016).
renatonegrao.com

Ricardo Aleixo
Ricardo Aleixo

Poeta, músico, artista visual, editor, pesquisador das poéticas da voz e do corpo. Publicou, entre outros, “Pesado demais para a ventania” (Todavia, 2018), “Antiboi” (Crisálida/LIRA, 2017, finalista do Prêmio Oceanos 2018) e “Modelos vivos (Crisálida, 2010, finalista dos prêmios Jabuti e Portugal Telecom 2011). Desenvolve seus projetos de criação e pesquisa no LIRA / Laboratório Interartes Ricardo Aleixo, localizado no bairro Campo Alegre, periferia de Belo Horizonte.
ricardoaleixo.com

Rogério Coelho
Rogério Coelho

Poeta, articulador cultural e membro do Slam Clube da Luta de Belo Horizonte. É Mestre em Artes pela EBA-UFMG e Doutorando pela FALE-UFMG com a pesquisa nas “Afrografias” de performances negras nos Slams. Foi dramaturgo e vice diretor do CICALT – Centro Interescolar de Cultura, Arte, Linguagens e Tecnologias, dentro do programa Valores de Minas.

Siba
Siba

É nascido na cidade cosmopolita do Recife, em uma família que até hoje mantém sua forte ligação com suas origens rurais, Siba cresceu entre a cidade e o interior, dois mundos que fazem parte de um mesmo todo. Desde seus primeiros contatos com as tradições da Mata Norte, começou uma longa história de aprendizado e colaboração, exercitando ao longo dos anos os fundamentos da poesia ritmada para se tornar um dos principais mestres da nova geração do maracatu e dos cirandeiros.

Thaís Gekseni
Thaís Gekseni

É estudante de Artes Plásticas na escola Guignard com habilitação em desenho. Estudou e trabalhou na gráfica da escola Oi Kabum!, onde produziu diversas publicações, possuindo experiência em impressão risográfica e em publicações independentes. Desde 2015, atua em projetos/produção gráfica, para editoras, curiosos do meio gráfico e projetos culturais que visem a exploração das artes gráficas.

Thaís Kas
Thaís Kas

É poeta e agitadora cultural, formada em audiovisual pela OI KABUM! BH, Escola de arte e tecnologia. Idealizadora e produtora da Coletiva Manas, que realiza Slams, Saraus, Rodas de leituras e intervenções poéticas em Belo Horizonte.

Valeska Torres
Valeska Torres

É poeta e estudante de biblioteconomia na Unirio. Nasceu no Rio de Janeiro, Marechal Hermes, em 1996. É autora do livro “O coice da égua” (Editora 7 Letras, 2019). Publicou nas coletâneas de poemas, contos e crônicas “Do Rio ao mar” (Projeto Turista Aprendiz, 2015), na antologia “Seis temas à procura de um poema” (Flup, 2017), na antologia “Alma – Projeto Identidade” (Editora Conexão 7, 2018). Em 2017, foi selecionada para uma residência no Festival Internacional de Poesia de Rosário, Argentina

Zi Reis
Zi Reis

Poeta Marginal e Artista visual, seu trabalho transita por múltiplas áreas especialmente a arte urbana, a escrita literária e o cinema. Propõe, através de suas criações, reflexões sobre o universo das mulheres, da periferia e do sertão. Atuante na cena de saraus e slams de Belo Horizonte e região metropolitana, compõe também o coletivo Filme de Rua e a AmargemCrew.

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES DO CICLO DE LITERATURA – BELO HORIZONE


2019 | Ciclo de Literatura Contemporânea